São Paulo no Século 18

(Fonte principal: Governo de São Paulo)

 

Embora, em 1711, a Vila tenha sido elevada à categoria de cidade, o próprio êxito das expedições exploradoras fez que a Coroa desmembrasse a Capitania, para ter controle exclusivo sobre a região das Minas.

Até parte do século 18, São Paulo continuava sendo um local de onde partiam expedições, provocando o extermínio de nações indígenas. São Paulo era também o caminho de tropeiros, que levavam e traziam suas mercadorias, desde a Colônia do Sacramento até Minas Gerais.

Disso tudo resultou a pobreza da província de São Paulo, na época, carente de uma atividade econômica lucrativa como a do cultivo da cana-de-açúcar no Nordeste.

Durante os três primeiros séculos de colonização, a população de índios, negros e caboclos superava em muito a de europeus. Até meados do século 18, predominava entre a população uma "língua geral" de base tupi-guarani, sendo essa língua franca a mais falada em toda a região.

Em 1763, a capital do Estado do Brasil foi transferida de Salvador para o Rio de Janeiro. Salvador continuou como a Capital Eclesiástica da América Lusitana, até 1891, e a Capital Jurídica de sua parte norte, até 1808.

Após a Independência, em 1822, os africanos representavam cerca de 25% da população e os mulatos, mais de 40%. Era já então insignificante a presença de índios nas zonas ocupadas pela colonização, e em especial nas lavouras de açúcar, implantadas com êxito no litoral norte e na região entre Itu e Sorocaba.

No final do século 18, com o esgotamento das Minas Gerais, a Bahia voltou a ser a capitania mais rica do Brasil. A virada da economia paulista só aconteceu em meados do século 19, com o ciclo do café.

Em 1745 foi criada a Diocese de São Paulo, subordinada à Arquidiocese de São Salvador da Bahia.

Mais: Brasil no Século 18

 

História de São Paulo►

 

Igreja de N. S. do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paissandu, em São Paulo, inaugurada em 1906. A irmandade negra chegou na Cidade, no início do século 18, e construiu sua primeira igreja em local da atual Praça Antônio Prado.

No início do século 19, os negros e os mulatos representavam mais de 65% da população de São Paulo. Esse quadro mudou com a chegada dos imigrantes europeus e asiáticos, mas São Paulo ainda abriga a maior população de afrodescendentes do Brasil.

 

São Paulo

 

Museu Paulista

 

São Paulo no século 17

São Paulo no século 19

São Paulo no século 20

 

História

 

Pateo do Collegio

 

 

Igreja São Paulo

 

Busca Temática

 

 

Copyright © Guia Geográfico - História de São Paulo

 

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Gabriel de Andrade Fernandes